sexta-feira, 20 de maio de 2016

"RIBANHO" VISTO PELOS OUTROS (6) - BURACO DA FECHADURA

Mais uma viagem pela net onde deparamos com o blogue do nosso colega Zé Oliveira, homem de convicções fortes (onde se inclui um generoso sportinguismo...) e com uma longa carreira enquanto cartunista e caricaturista.
Amavelmente, o Zé divulgou o lançamento do nosso álbum "RIbanho", na Bedeteca de Beja, a 30 de Novembro de 2006 desta forma:
http://chavedoburaco.blogspot.pt/2006/11/tiras-de-dirio-do-alentejo-agora-em.html

sexta-feira, 13 de maio de 2016

O "RIBANHO" VISTO PELOS OUTROS (5) - FOLHA VOLANTE (2)

Mais outro número da "Folha Volante" - edição de Geraldes Lino -, onde o nosso trabalho foi inserido na primeira página, junto com uma tira de Agonia Sampaio. 
"Folha Volante" # 169 (2 de Janeiro de 2007)
Podem conferir na página de Geraldes Lino: http://fanzinesdebandadesenhada.blogspot.pt/2007/03/folha-volante-n-169-jan-07_01.html

sexta-feira, 6 de maio de 2016

O "RIBANHO" VISTO PELOS OUTROS (4) - FOLHA VOLANTE (1)

Geraldes Lino é um homem profundamente ligado à banda desenhada.
Conhecido entre o meio como o "Sr. Bêdê", leva uma vida dedicada a esta forma de Arte, divulgando-a e estudando-a como poucos o têm feito no nosso país.
A sua coroa de glória é a fundação (e coordenação durante cerca de três décadas consecutivas!) da Tertúlia BD de Lisboa, um encontro mensal, num restaurante lisboeta, onde se homenagearam praticamente todos os nomes importantes ligados à nossa BD.
A partir de determinada altura, Geraldes Lino decidiu editar e distribuir exclusivamente pelos tertulianos a "Folha Volante", publicação onde se reproduziam tiras de banda desenhada retiradas de diversos jornais e revistas portuguesas.
Em alguns números da "Folha Volante" o "RIbanho" teve honras de destaque, como podemos confirmar na imagem reproduzida aqui abaixo.
Folha Volante n.º 197, de 5 de Fevereiro de 2008

sexta-feira, 29 de abril de 2016

TIRA 167

Tira 167 (05.05.2006)
A Ovibeja era sempre assunto tratado nas nossas tiras durante o período em que o certame se realizava, ou não fosse o "RIbanho" uma série com... ovelhas. :)

sexta-feira, 22 de abril de 2016

ÁLBUM "RIBANHO" (1) - COMO SURGIU A CAPA

Em 2007, a Prime Books decidiu apostar na edição de um álbum de tiras do "RIbanho".
Havia quatro anos que a série era publicada semanalmente no Diário do Alentejo, o que dava cerca de 200 tiras produzidas, número suficiente para se fazer uma escolha para o álbum.
Enquanto o paginador trabalhava o miolo, eu e o Luís Afonso começámos a pensar na capa e na contracapa. Nesta, ficou mais ou menos assente que seria interessante incluir uma tira e, por baixo, um pequeno texto explicativo acerca da origem da série.
Ficou, então, encarregue o Luís Afonso de escrever esse texto, enquanto eu faria um esboço para a capa. A tira da contracapa seria escolhida em conjunto por ambos.
O Luís escreveu o texto (que, depois de adaptado, também serviu de apresentação a este blogue) e enviou-mo passados dois ou três dias.
Achei que estava óptimo e nunca mais lhe mexemos. 
tira foi escolhida de entre as três ou quatro opções seleccionadas por cada um de nós. 
A escolha do desenho da capa foi um pouco mais difícil, pois queríamos que o álbum fosse o mais apelativo possível para o público, já que a série era apenas conhecida pelos leitores do "Diário do Alentejo", um grande jornal regional, sem dúvida, mas que, como todos os jornais regionais, tinha uma distribuição limitada.
A primeira ideia que tive foi a que mostro a seguir: um fundo preto, com um foco de luz a apontar para o Pastor e para o cão, como se estes fossem estrelas de Teatro em cima de um palco. 



Após mostrar ao Luís esta versão, achámos que talvez o "Compadri" merecesse ser colocado na capa pois fazia parte da série desde a tira 004!...


Uma e outra versões, contudo, não agradaram por completo. Avançou-se, então, para uma segunda hipótese, onde me lembrei de colocar o Pastor a dormir à sombra de um chaparro, sonhando com ovelhas, numa alusão clara ao mito de que, para adormecer, basta contar carneiros...

Como terceira hipótese, lembrei-me da tira 157 que tínhamos feito meses antes, onde falávamos sobre o encerramento continuado de estações de caminho de ferro no interior do país. A partir daí, desenvolvemos uma ideia que nos pareceu mais forte para a capa: o pastor, junto a um ramal ferroviário abandonado, com ervas, pedras, teias de aranha e ovelhas a pastar-lhe em cima, olha para uma placa onde, ironicamente, se dão as boas-vindas a quem visita o Alentejo. 



A seguir, algumas fotos que tirei a pormenores dos carris e das travessas do - há muito abandonado - Ramal de Moura, que me auxiliaram no desenho da capa.



Estava encontrada a ideia!
A seguir mostramos uma proposta já muito próxima da versão final. 

Neste ponto, o Luís Afonso sugeriu - e com razão - que se reforçasse a ideia de abandono/despovoamento do ramal, desenhando os carris interrompidos. 
Eis aqui o resultado final, já com o lettering e os logótipos da editora e do jornal aplicados pelo paginador.

Resta dizer que o álbum foi lançado em Lisboa, na Casa do Alentejo, onde fez enorme sucesso entre um grande número de alentejanos (há muito afastados da sua terra natal e assinantes do "DA") que nos acarinharam com muitas palavras de incentivo.
Alguns diziam-nos que o "RIbanho" era sempre a primeira coisa que iam ler ao jornal. Outros diziam, orgulhosos, que recortavam e coleccionavam todas as tiras da série.
Nesse dia percebi que o "RIbanho" era não só uma forma de fazer rir as pessoas mas também uma forma de aqueles alentejanos se sentirem mais próximos da sua região.
E isso foi, talvez, a coisa mais gratificante que este projecto nos trouxe...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

TIRA 166

Tira 166 (28.04.2006)
A ideia do pastor aparecer fora da vinheta (ou "quadradinho"), impedido de entrar pelas ovelhas, para que estas tivessem o merecido destaque em semana de Ovibeja, tornou a tira 166 numa das poucas em que utilizámos uma piada gráfica. 
Aproveitando esta deixa, e já que na próxima semana - entre 21 e 25 de Abril - terá lugar a 33.ª Ovibeja, recordamos, em jeito de curiosidade, os cartazes das edições de 2006 (data da publicação desta tira) e a do corrente ano, ao mesmo tempo que deixamos o convite para que visite esta grande Feira Nacional de Agricultura (pode consultar a página oficial do evento em www.ovibeja.pt )


sexta-feira, 8 de abril de 2016

sexta-feira, 1 de abril de 2016

TIRA 164

Tira 164 (14.04.2006)
Com a morte de Castro Brito - o "Senhor Ovibeja", como alguém lhe chamou um dia - ocorrida esta semana, vimos partir um homem que se bateu como poucos pelo desenvolvimento da agricultura, por Alqueva, pelo Alentejo.
Nem de propósito, a tira que hoje aqui apresentamos - seguindo, como sempre, a ordem cronológica de publicação da série no "DA" - tem como tema precisamente a Ovibeja.
Que melhor forma de homenagearmos a memória deste notável Alentejano?


sexta-feira, 25 de março de 2016

TIRA 163

Tira 163 (07.04.2006)

Dormir a sesta: dormir depois do almoço ou ao meio-dia
Do latim "sexta" (hora do dia romano equivalente às actuais doze ou ao meio-dia)

Noutros tempos, dormir a sesta era um hábito saudável praticado com frequência.
No Alentejo, o rigoroso clima - com temperaturas bastante altas durante o Verão - fez com que a sesta se tornasse quase obrigatória.
Até mesmo durante a aceifa, um dos trabalhos do campo mais duros e exigentes, os trabalhadores rurais (que laboravam desde que o Sol nascia até que desaparecesse no horizonte) podiam dormir uma pequena sesta, após o almoço, para fugir às horas de maior calor e recomeçarem o trabalho com mais forças e, consequentemente, serem mais produtivos.
Os tempos mudaram. A sesta caiu em desuso.
O progresso trouxe com ele formas de aligeirar o trabalho físico, é verdade, mas em compensação, o trabalho mental aumentou, com o aparecimento do computador.
Sem horas de sono suficientes, a "produtividade"... zzzzzzz... acaba, inevitavelmente, por ser afectada... zzz... mesmo trabalhando... zzzzzz... o dia todo sentado... zzzzzzzzzzzzzzz

sexta-feira, 18 de março de 2016

TIRA 162

Tira 162 (31.03.2006)
Em 2006, surgia a Via CTT, um novo serviço dos Correios de Portugal, complementar à caixa postal fixa (correio tradicional), que consistia numa Caixa Postal Electrónica segura e fiável, disponível num portal seguro da internet. Passávamos todos a ter, assim, a possibilidade de receber correio em formato digital, de forma gratuita...
Não sabemos até que ponto este serviço obteve sucesso, até porque dá a ideia que não difere muito das caixas de correio electrónico "normais" que quase todos nós temos...


sexta-feira, 11 de março de 2016

Tira 161

Tira 161 (24.03.2006)
O pessimismo do nosso Pastor não lhe permitiu ver, com clareza, aquilo que, hoje em dia, nos parece mais do que evidente: o Alentejo está na moda.
Esta região tem assistido, nos últimos anos, a um progressivo aumento do número de turistas, que procuram, invariavelmente, a nossa gastronomia, o nosso vinho, os nossos monumentos, a nossa música, as nossas tradições, a nossa maneira de ser...
O turismo é o caminho - não tenhamos dúvidas - para que o Alentejo possa vir a recuperar muito daquilo que perdeu, ao longo de décadas. 
Nem de propósito, veja-se aqui a reportagem que o Diário de Notícias publicou hoje mesmo sobre... o Alentejo!

sexta-feira, 4 de março de 2016

TIRA 160

Tira 160 (17.03.2006)
"Esperar sentado" é algo a que os alentejanos estão habituados há muito, pois aqui tudo chega tarde e a mal horas... quando chega.
E não se pense que tal significa uma atitude passiva perante as dificuldades da vida. A explicação é outra: é que ninguém gosta de ficar com cãibras nas pernas... :)





sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

RIBANHO NOUTROS SUPORTES (1) - OUTDOOR

Em Novembro de 2007 fomos convidados a desenvolver um cartune sobre o IP8 para imprimir num outdoor.
A ideia era, através de uma imagem de fácil leitura e com algum humor à mistura, chamar a atenção para o longo arrastar da interrupção das obras, e dos embaraços que isso ia provocando aos automobilistas.
Em baixo podem observar o desenho inicial que fiz, após uma primeira troca de impressões com o Luís Afonso.


O desenho sofreu algumas alterações, como sempre acontece num trabalho deste tipo. Uma das primeiras foi a eliminação do arame farpado que - reconheço - só atrapalhava, e não acrescentava nada à ideia.
Uma velhota a travessar a estrada e um porco perfeitamente descontraído foram, também, outras ideias que nos pareceu por bem incluir na imagem, como alusão ao Alentejo e ao apregoado ritmo descontraído dos habitantes desta região do país.
O desenho final, já com as alterações que introduzimos...

... e aqui com as legendas e as cores aplicadas em computador.

A frase "Porreiro, pá!" não preciso dizer de onde a tirámos...
Por iniciativa nossa, inserimos o título "Bem-vindo ao IP8". A sugestão, contudo, não vingou e, quando vimos os outdoors colocados, apercebe-mo-nos que esse título tinha sido substituído por "Aventuras no IP8". 
Outdoor colocado em Vila Verde de Ficalho.
Deste trabalho fizeram-se também calendários de bolso (do ano de 2008).
Entretanto, mais tarde, aproveitámos esta ideia e inseri-mo-la numa tira de "RIbanho".

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

TIRA 159

Tira 159 (10.03.2006)
De tempos a tempos, somos bombardeados na comunicação social com notícias sobre epidemias/pandemias que ameaçam a população mundial: a Gripe das Aves, a Doença das Vacas Loucas ou o vírus Ébola são alguns exemplos, num passado recente. Hoje em dia, as atenções centram-se maioritariamente no perigoso Vírus Zika.
Em 2006, a Gripe das Aves parecia ser, de facto, uma ameaça bem real por isso não foi de estranhar que o "RIbanho", vez por outra, tocasse também este assunto. Com a tira 159, era a quarta vez que isso acontecia.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

TIRA 158

Tira 158 (03.03.2006)
Sempre que havia eventos culturais e gastronómicos como a Feira de Queijo de Serpa, aproveitávamos para os inserir nas tiras do "RIbanho". Foi assim com a Semana Gastronómica do Borrego, a Semana Gastronómica do Porco ou o Congresso da Sesta.
Fazia-mo-lo porque achávamos que o "RIbanho" não se deveria limitar a ter um papel de entretenimento.
A promoção da região (especialmente na vertente turística/cultural) era para nós também muito importante.
  

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

TIRA 157

Tira 157 (24.02.2006)
Das cerca de cinco centenas de tiras que produzimos para o "RIbanho", esta é talvez a minha preferida.
O texto do Luís Afonso encheu-me as medidas, talvez porque havia (e continua a haver) demasiado tempo que ambos sentíamos na pele os prejuízos que a desactivação de estações de caminhos de ferro acarretam para as populações do interior.
Meses depois, a ideia e em especial a última vinheta, acabaram por servir de modelo para a capa do (único) álbum que publicámos da série, do qual falaremos num destes dias...

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

TIRA 156

Tira 156 (17.02.2006)
As alterações climáticas têm sido, nos últimos anos, tema para muitos debates. O "RIbanho" não poderia deixar de fugir a este assunto.
Em 2006, a temperatura média ambiente estava a subir até níveis nunca antes atingidos. Daí para cá, a situação piorou sempre. Não espanta muito, portanto, que há dias tenhamos ouvido a notícia de que 2015 foi o ano mais quente de sempre!
Quanto ao "outro clima", se em 2006 estava péssimo, hoje parece estar ainda pior.
A inconsciência do Homem, a este ritmo, acabará por fazer desaparecer inúmeras espécies... quem sabe até a si próprio.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

GALERIA DE PERSONAGENS (7) - O TABERNEIRO



Para fugir ao cenário do campo e, sobretudo, por precisar de conversas com mais gente, lembrei-me da taberna, até porque se podia introduzir um televisor a emitir notícias (no campo utilizava frequentemente o rádio). O taberneiro aparece assim naturalmente. Evitei dar-lhe demasiado protagonismo para não cair na tentação de repetir as soluções utilizadas no “Bartoon”, a tira diária no jornal Público, que se passa no balcão de um bar.
Luís Afonso


O taberneiro sempre foi um dos personagens que mais gostei de desenhar.
Os motivos que o Luís referiu para o seu aparecimento na série, eram válidos para mim também, já que se tornava bastante estimulante desenhar outros cenários que não apenas o campo. Foi como se de uma lufada de ar fresco se tratasse
Desde o princípio que lhe desenhei um avental, que, na maior parte das tabernas do Alentejo, os taberneiros não usam. A verdade é que a ideia foi ficando... e o taberneiro nunca despiu o avental.
Carlos Rico

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

TIRA 155

Tira 155 (10.02.2006)
O Taberneiro apareceu, nesta tira, pela segunda vez na série.
Com o tempo, a sua fisionomia levaria ainda alguns "retoques". O cabelo e o queixo haveriam de crescer um pouco mais.
O que sempre se manteve foi o avental. Embora a maior parte dos taberneiros alentejanos que conheço nunca usem avental...

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

TIRA 154

Tira 154 (03.02.2006)
No Inverno de 2006 caiu neve no Alentejo, uma situação rara mas que, vez por outra, acontece.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

TIRA 153

Tira 153 (27.06.2006)
Na tira 153 os dois compadres continuaram na taberna e continuaram, também, a discutir as alterações climáticas. 
De vez em quando, o Luís Afonso adiantava alguns argumentos (ou porque tinha necessidade de se concentrar noutros trabalhos, ou porque lhe surgiam duas ou três ideias ao mesmo tempo) e enviava-mos todos na mesma semana. Assim eu tinha mais tempo, também, para desenhar as tiras. 
Num ou noutro caso - raros é certo -, esses argumentos tiveram como base um mesmo tema, tornando-se, assim, o "RIbanho" numa espécie de banda desenhada com tiras em continuação, que podiam ser lidas todas as semanas como se de uma mesma história se tratasse.