sexta-feira, 22 de abril de 2016

ÁLBUM "RIBANHO" (1) - COMO SURGIU A CAPA

Em 2007, a Prime Books decidiu apostar na edição de um álbum de tiras do "RIbanho".
Havia quatro anos que a série era publicada semanalmente no Diário do Alentejo, o que dava cerca de 200 tiras produzidas, número suficiente para se fazer uma escolha para o álbum.
Enquanto o paginador trabalhava o miolo, eu e o Luís Afonso começámos a pensar na capa e na contracapa. Nesta, ficou mais ou menos assente que seria interessante incluir uma tira e, por baixo, um pequeno texto explicativo acerca da origem da série.
Ficou, então, encarregue o Luís Afonso de escrever esse texto, enquanto eu faria um esboço para a capa. A tira da contracapa seria escolhida em conjunto por ambos.
O Luís escreveu o texto (que, depois de adaptado, também serviu de apresentação a este blogue) e enviou-mo passados dois ou três dias.
Achei que estava óptimo e nunca mais lhe mexemos. 
tira foi escolhida de entre as três ou quatro opções seleccionadas por cada um de nós. 
A escolha do desenho da capa foi um pouco mais difícil, pois queríamos que o álbum fosse o mais apelativo possível para o público, já que a série era apenas conhecida pelos leitores do "Diário do Alentejo", um grande jornal regional, sem dúvida, mas que, como todos os jornais regionais, tinha uma distribuição limitada.
A primeira ideia que tive foi a que mostro a seguir: um fundo preto, com um foco de luz a apontar para o Pastor e para o cão, como se estes fossem estrelas de Teatro em cima de um palco. 



Após mostrar ao Luís esta versão, achámos que talvez o "Compadri" merecesse ser colocado na capa pois fazia parte da série desde a tira 004!...


Uma e outra versões, contudo, não agradaram por completo. Avançou-se, então, para uma segunda hipótese, onde me lembrei de colocar o Pastor a dormir à sombra de um chaparro, sonhando com ovelhas, numa alusão clara ao mito de que, para adormecer, basta contar carneiros...

Como terceira hipótese, lembrei-me da tira 157 que tínhamos feito meses antes, onde falávamos sobre o encerramento continuado de estações de caminho de ferro no interior do país. A partir daí, desenvolvemos uma ideia que nos pareceu mais forte para a capa: o pastor, junto a um ramal ferroviário abandonado, com ervas, pedras, teias de aranha e ovelhas a pastar-lhe em cima, olha para uma placa onde, ironicamente, se dão as boas-vindas a quem visita o Alentejo. 



A seguir, algumas fotos que tirei a pormenores dos carris e das travessas do - há muito abandonado - Ramal de Moura, que me auxiliaram no desenho da capa.



Estava encontrada a ideia!
A seguir mostramos uma proposta já muito próxima da versão final. 

Neste ponto, o Luís Afonso sugeriu - e com razão - que se reforçasse a ideia de abandono/despovoamento do ramal, desenhando os carris interrompidos. 
Eis aqui o resultado final, já com o lettering e os logótipos da editora e do jornal aplicados pelo paginador.

Resta dizer que o álbum foi lançado em Lisboa, na Casa do Alentejo, onde fez enorme sucesso entre um grande número de alentejanos (há muito afastados da sua terra natal e assinantes do "DA") que nos acarinharam com muitas palavras de incentivo.
Alguns diziam-nos que o "RIbanho" era sempre a primeira coisa que iam ler ao jornal. Outros diziam, orgulhosos, que recortavam e coleccionavam todas as tiras da série.
Nesse dia percebi que o "RIbanho" era não só uma forma de fazer rir as pessoas mas também uma forma de aqueles alentejanos se sentirem mais próximos da sua região.
E isso foi, talvez, a coisa mais gratificante que este projecto nos trouxe...

6 comentários:

  1. Amigo Carlos,
    Muito interessante esta sua ideia de mostrar como "nasceu" a capa do "RIbanho", um álbum que, de facto, foi muito apreciado e que só é pena não ter tido continuidade com um 2º volume, pelo menos.
    Lembro-me bem da festa de lançamento na Casa do Alentejo, onde eu e a Catherine tivemos o prazer de estar presentes, e do caloroso ambiente que lá se viveu nesse dia.
    Como continua a produzir tiras do "RIbanho", porque não pensar a sério na hipótese de publicar um 2º álbum com material inédito? Pessoalmente gosto muito da penúltima versão da capa que aqui apresentou, e sugiro-lhe que a aproveite numa próxima oportunidade.
    Um grande abraço,
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Jorge,
      Lembro-me perfeitamente de si, da Catherine e de outros amigos ligados à banda desenhada, que se deslocaram propositadamente à Casa do Alentejo para o lançamento do álbum, o que muito me sensibilizou (e acredito que ao Luís Afonso também).
      Foi, realmente, um ambiente muito agradável, onde se não estou em erro, actuou um Grupo Coral e tudo.
      Quanto às tiras do "RIbanho", ao contrário do que diz no seu comentário, não continuamos a produzi-las. Deixámos de o fazer em Setembro de 2012, quando o jornal nos contactou a dizer que já não estavam interessados nos nossos serviços...
      Foi a partir daí que decidimos criar o blogue e reproduzir todas as tiras da série, exactamente pela mesma ordem em que tinham sido publicadas no "DA".
      Quanto à sua sugestão de publicar um segundo volume de "RIbanho", nunca calhou (embora houvesse material para isso e para mais um terceiro volume, até).
      Todavia, e sem querer abrir muito o jogo, é possível que em breve possamos ter novidades sobre a série... Para já, é o que posso adiantar...
      Obrigado pelo seu comentário.

      Grande abraço
      Carlos Rico

      Eliminar
  2. Amigos "LUCA"
    Gostei de saber do nascimento da capa do RIBANHO.
    Um grande abraço para os dois, Luís e Carlos do Alentejano de Évora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Dâmaso,
      Tenho saudades de o (re)ver nas festas da BD. Talvez nos próximos dias, quando inaugurarem duas exposições no CPBD, na Amadora e onde conto estar presente.
      Muito obrigado pelo seu comentário.
      Grande abraço
      Carlos Rico

      Eliminar
  3. Não conhecia esses pormenores, e achei-os bem interessantes.
    E se as vendas do livro correram bem, estou de acordo com o Jorge Magalhães, seria caso para tentares fazer um 2º tomo.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Geraldes Lino,
      Aquilo que verdadeiramente nós queremos é continuar a publicar regularmente esta série num jornal (alentejano de preferência, pois achamos que só aí faz sentido a sua existência)...
      Mas a publicação de um álbum seria, de facto, muito bom, para nós.
      Para já, teremos que aguardar por eventuais novidades, talvez já no próximo ano...
      E mais não digo... :)
      Grande abraço
      Carlos Rico

      Eliminar